IRMÃOS MATAM COLEGA DE TRABALHO NO RN, POR CONTA DE DEMISSÃO

Um homem de 30 anos suspeito de articular e participar da morte de um colega de trabalho na Zona Norte de Natal, em 23 de abril, foi transferido para o Rio Grande do Norte nesta quarta-feira (22) após um mandado de prisão preventiva expedido pela Justiça.

Ele é suspeito de ter participado, ao lado do irmão, do assassinato do gerente de hotel Antônio Denísio Fernandes, de 37 anos, que foi morto a tiros na frente de casa no bairro Lagoa Azul, na Zona Norte da capital.
De acordo com a investigação da Divisão de Homícidios e Proteção à Pessoa (DHPP) de Natal, o crime ocorreu porque o suspeito foi demitido e acreditava que isso havia acontecido sob influência de Antônio Denísio.

O homem que foi demitido teria planejado o crime e dirigido o carro na fuga, além de ter convencido o irmão a participar do crime - foi o irmão que efetuou os disparos, segundo a Polícia Civil.
Os dois suspeitos foram presos na BR-020 próximos à cidade de Planaltina, em Goiás, quatro dias após o crime. A abordagem foi feita em uma fiscalização de rotina e uma arma foi encontrada no veículo.
Após a investigação, que apontou o possível envolvimento dos irmãos no crime em Natal, a Justiça conseguiu que um deles fosse recambiado para Natal. O outro segue detido no Distrito Federal.
Investigação
A investigação da Polícia Civil apontou que a vítima e os dois suspeitos trabalhavam no mesmo hotel, na Via Costeira de Natal. Um dos suspeitos foi demitido no dia 18 de abril e acreditou que isso ocorreu sob influência do gerente Antônio Denísio Fernandes - ele também era gerente.
Por conta disso, ele teria planejado o crime e convencido o irmão, que era funcionário do hotel e tem 26 anos, a participar do crime. Ele dirigiu o carro no dia da ação criminosa, enquanto o irmão efetuou os disparos contra Antônio.
"Houve uma divergência, entre eles, profissional gerando com isso a demissão de um deles e ele acreditou que foi causada por Denísio. E houve o planejamento da morte de Denísio com o irmão dele", disse o delegado de homicídios, Roberto Andrade. G1RN

whatsapp