TIROS E CORRERIA APÓS DISCUSSÃO DEIXOU DOIS BALEADOS NO ALECRIM, EM NATAL

Vídeos de câmeras de segurança registraram a confusão no Alecrim, na Zona Leste de Natal, que deixou duas pessoas baleadas na manhã desta quinta-feira (10).
O caso aconteceu na Avenida Presidente Gonçalves. As imagens mostram um homem, que estava conversando na janela de um carro, saindo às pressas. Em seguida, uma mulher desce do carro e corre em fuga. Poucos segundos depois, um outro homem - que é um PM afastado por problemas psiquiátricos - também sai do carro, armado.

Assim que ele desce, é possível ver que há outras duas pessoas com arma em punho do lado de fora. Isso porque o policial havia acabado de atirar na mulher e o disparo a atingiu de raspão no ombro durante a fuga. A vítima caiu e foi atendida em seguida.

O vídeo mostra que uma das pessoas na rua que percebeu a ação do homem reagiu e atirou contra ele, que caiu na avenida.

Segundo a Polícia Militar, o homem e a mulher que estavam no carro discutiram e ele apontou uma arma contra ela. Ao perceber a ameaça inicial, a mulher pediu ajuda a pessoas na rua. Foi quando o homem disparou a primeira vez, mas a arma falhou. Ela conseguiu se desvencilhar e, em fuga, foi atingida de raspão.

O homem é um policial militar que está afastado das funções por problemas psiquiátricos, segundo a PM. Até a última atualização desta matéria, ele não havia sido identificado.

O policial afastado está internado. Já a vítima do disparo dele foi liberada do hospital no início da tarde.

'Eu ia morrer por uma besteira'
"Eu ia morrer por uma besteira". A frase é da mulher baleada, que pediu para não ser identificada, em entrevista à Inter TV Cabugi. Ela contou que é dona de uma padaria na capital potiguar e foi até o Alecrim para tentar consertar uma máquina do estabelecimento dela, que aguarda uma peça há quase um ano.
"Quando eu cheguei lá e vi que mais uma vez eles não tinham a peça eu comecei a discutir com a dona da loja e disse que eu devia ter entrado na justiça contra eles", diz.

Após a discussão, o policial militar, que é marido da dona da loja, se ofereceu pra ir com a vítima comprar a peça em outra loja.
"Eu aceitei e ele foi no meu carro comigo. No meio do caminho ele disse 'a gente não vai comprar peça nenhuma, eu vou te dar uma lição' e colocou uma arma na minha cintura".

A partir daí os dois começaram a discutir dentro do carro. A mulher conta que pediu para não morrer, disse que tinha três filhos e que eles poderiam resolver aquilo de uma maneira mais tranquila. Mas, segundo ela, o homem estava muito nervoso, dizia que a esposa dele tinha sido ofendida e insistia em assumir a direção do veículo.

"Quando eu cheguei naquele ponto, na esquina da Comjol, eu parei o carro na rotatória e vi um bombeiro. Eu tentei chamar a atenção dele falando alto. O bombeiro percebeu, veio até o carro e pediu pra eu ter calma, mas eu disse que o homem estava armado".

Foi então que, segundo ela, o homem apertou o gatilho, mas a arma falhou. "Aí eu abri a porta do carro e saí correndo. Ele continuou atirando e um tiro pegou de raspão em mim", conta.

"Eu nasci de novo. As pessoas hoje em dia é uma maldade tão sem necessidade, uma coisa tão fácil de se resolver, acabar desse jeito", diz a mulher que foi liberada do hospital após receber atendimento médico. - G1RN

whatsapp