COORDENADORA DA ATENÇÃO BÁSICA DE PARAÚ ENTRA EM CONTRADIÇÃO E PACIENTE FAZ TESTE DA COVID-19

Da redação - Assú Notícia:
Em uma polêmica propagada pela coordenadora da atenção básica da cidade de Paraú, foi o assunto mais comentado nas calçadas nos últimos dias. Só, que a coordenadora que é vereadora no município, entra em contradição mais uma vez, e pisa no próprio calo e termina sendo taxada pelos colegas de trabalho, como 'não sabe o que faz'. 

Com seu histórico de não ser bem familiarizada com a equipe de saúde da prefeitura de Paraú, a coordenadora propagou um ato de constrangimento para um paciente, que precisava fazer o teste rápido de covid-19, para realizar o processo de estágio, após solicitação verbal da instituição que estuda.

O jovem foi até a unidade, conversou com a coordenadora da atenção básica para que pudesse ser submetido ao teste rápido, só que o paciente foi informado pela cuja vereadora, que também ocupa o cargo de coordenadora da atenção básica, que o teste não poderia ser feito, pois a instituição tinha por obrigação de enviar um oficio solicitando o teste.

Imediatamente, o aluno entrou em contato com o corpo da instituição, que estranhou a solicitação do hospital, e que nenhum aluno passou por isso. O paciente questionou a coordenadora, que logo respondeu; 'Matheus, Paraú é diferente, Paraú trabalha diferente'. O paciente foi para casa constrangido e entrou em contato com a secretária de saúde, que nada fez. - Estranho na questão de hierarquia, um cargo inferior ter mais autonomia que um secretário. 

O ASSÚ NOTÍCIA, tão logo recebeu essa denúncia, e fizemos a publicação. Um dia depois, a coordenadora publicou em uma rede social, uma cartilha com os critério para um paciente ser submetido ao teste rápido de covid. A mesma postagem foi feita no instagram oficial da prefeitura, com a assinatura da secretaria de saúde.

Ao fim, não precisou entrar nos critérios estabelecidos pela então coordenadora, que submeteu o paciente em uma situação constrangedora. O aluno foi até o hospital, explicou ao médico que passou a solicitação do exame rápido, o aluno fez e testou negativo para o vírus. Algo tão simples, mais que foi truculento para o aluno, que relatou tudo isso em suas redes sociais.

A contradição da secretária de saúde junto com a coordenadora, não remitiu que o aluno fizesse o teste. Apenas um show propagado pela coordenadora, que no fim de tudo, o povo venceu e o então aluno irá estagiar em Assú.

whatsapp